Feeds:
Posts
Comentários

diadabiodiversidade.mp3 autoplay controls>

Anúncios
Teatro de rua, futebol, política e religião na criação coletiva do Levanta Favela. Futebol nossa Paixão é uma peça que se propõe a discutir as conseqüências que um megaevento do porte da Copa do Mundo de Futebol pode trazer para o povo. Um evento que já está desalojando populações e que, durante sua realização, implantará um temido estado de exceção no território brasileiro.

levaNta faveLa na BIOdiveRSidade

Na encenação, torcedores sacrificam-se pelo único prazer de ver o Brasil ser campeão com seus próprios olhos. A luta entre burgueses e os favelados, o povo brasileiro contra a Federação Internacional de Futebol. Tudo em praça pública.
Outras atividades acontecem ao logo da tarde e início da noite.
Vem pra cá!

São cerca de 40 coletivos que organizam essa feSta e muitos outros que participam, propondo atividades ou simplesmente comparecendo no Largo.

É uma feSta para comemorar a LUta. As diversas lutas protagonizadas por movimentos sociais, coletivos, comunidades, que se reúnem uma vez por ano para convergir pautas, estreitar laços e dialogar com a população da capital. É também um espaço de denúncia do capital e dos governos, que há alguns anos vem escorraçando a população dos espaços púbicos.

Em Porto Alegre temos sentido na pele a privatização dos espaços públicos, que é apenas uma das facetas estratégicas do capitalismo. No centro da cidade, essa reclamação ecoa! Começou com o Gasômetro, que foi “adotado” pela gatorade (by coca-cola company), que fez das bancas outdoors, impondo suas propagandas, ao mesmo tempo em que a Prefeitura passou a permitir o acesso dos carros à Orla, que também ali roubam o lugar das pessoas e da cultura pública. Na pracinha do gasômetro está sendo construído um estacionamento, afinal para quê espaço para a sociabilidade? Mas não somos carros! A associação de moradores tem tentado transformar esse plano, mas a suspeita é que seja tarde demais. Estacionamentos virou mania da Prefeitura, que tem transformado vários espaços ocupados pela população em estacionamento, como no caso do antigo camelódromo.

Seguindo pela Rua da Praia, logo chegamos ao Largo Glênio Peres, que foi privatizado por uma Parceria Público e Privado (as PPPs) firmadas entre a Prefeitura e a Coca-Cola (de novo!). Por acaso, depois dessa “adoção” do Largo, se fez uma lei para proibir o seu uso. Nesse ano, mais uma vez, quase tivemos a proibição da feSta da BIOdiveRSidade. Muitas feiras como da Economia Solidária e do Pêssego foram proibidas no Largo, que agora vai ganhar mais um chafariz, que afinal é bem melhor do que qualquer manifestação política ou cultural. O grupo de teatro de Rua Levanta Favela conta da dificuldade que tem enfrentado para realizar suas peças pelas ruas da capital gaúcha, que muito se orgulha de sua forte veia artística. Teatro só pras elites e de preferência que não promova muita reflexão sobre a realidade e, por favor, que não fale de política e cultura, ainda mais no período da Copa do Mundo e de eleições. O espaço do Largo foi apropriado pela FIFA para a Fanfest, que será o ÚNICO local da cidade autorizado a transmitir os jogos da copa de 2014, ou seja, se você curtia ver seu jogo de futebol no boteco com seus amigos, se ferrou… na Copa ou é na FAnfest ou verá os resultados das partidas nos jornais!

Coca-cola faz marqueting usando o espaço público

Dali até a Redenção, um belíssimo parque, que a prefeitura tem dedicado esforços para precarizar, validando a ideia de que o que é publico não funciona, sendo eficiente só a iniciativa privada, na velha tentativa do Estado Mínimo. Afinal, se fica mal cuidado, se justifica a necessidade da parceria privada, que viria arrumar o que a própria prefeitura estragou. E lá venderam para a Pepsi (que também é cola!) que além da publicidade, não passaram sequer uma vassoura. Eles não irão descansar enquanto não cercarem aquilo tudo, para poder cobrar uma entrada, que vai nos proporcionar, na melhor das hipóteses, o mesmo parque que temos hoje, mas aí com grades e com receita (que vai pro bolso de alguém). Assim também aconteceu com o Araújo Viana, que fica dentro da Redenção, que depois de um projeto mal sucedido que demandou uma reforma e mais custos, foi “adotado” e será gerenciado pela Coca-Cola (mais uma vez!) e como não poderia faltar, fizeram ali mais um estacionamento…

Assim todas as feiras, que foram conquista dos agricultores e consumidores da capital, foram sem explicação apropriadas pela Maggi e Gatorade, conhecidas pelo fomento da alimentação industrializada, comprometendo a saúde da população com coquetéis químicos, que desconhecemos suas reações em longo prazo e com a ajuda da criminalização da produção da agroindústria familiar, através da vigilância sanitária e padrões internacionais que homogenizam as formas de produção, e que nada tem a ver com agroecologia ou agricultura familiar.

E o Largo Zumbi dos Palmares? Espaço aberto propício para a realização de grandes eventos ou atividades como a capoeira e a roda de samba. Mas grupos de Capoeira têm relatado uma série de situações onde a polícia militar aborda os capoeiristas, verifica a ficha corrida das pessoas, constrangendo-as, alegando que aquele espaço não é para fazer barulho. Essa prática era realizada no surgimento da capoeira, buscando a criminalização dos escravos. Será mera coincidência?

E então chegamos à zona rural de Porto Alegre, onde áreas produtivas estão sendo transformadas em condomínios de luxo, vendidos com o rótulo de “verdes”, alterando completamente a paisagem em áreas de até quatro milhões de metros quadrados. Isso força a saída dos pequenos agricultores, que não tem como competir com a exorbitância do valor da terra, produzido pela especulação imobiliária. Isso também afeta as poucas áreas de ambiente natural, ricas em biodiversidade e nascentes, ainda presentes em uma capital.

Também pode ser coincidência o “cala-boca cidade baixa” que tem sido promovido pela prefeitura, exatamente no mesmo momento em que se discute a privatização da Orla do Guaíba. Existem relatos de estabelecimentos que foram autuados por não terem alvará (que não tem sido liberado há muitos anos pela prefeitura) e que receberam uma proposta de se transferirem para a orla, nesse caso recebendo o tão batalhado alvará, mas tendo que se comprometer a vender o ponto e não retornar a cidade baixa pelos próximos dez anos. Aí, podemos ver a lógica do livre mercado, que livra os seus compadres e ferra com a maioria. A privatização da Orla contou com a desculpa da Copa do Mundo, que além de faturar com estádios, irá vender casas com as melhores vistas para gente rica, doar extensas áreas públicas para a iniciativa privada e remover milhares de famílias de seus bairros de origem. Ter que tirar os moradores, que vivem lá há trinta, quarenta anos ou muito mais. Mas gente pobre não tem direito. E afinal quem tem direito? O que é direito? E para quem? E afinal, a cidade é para quem?

Essas são apenas algumas histórias. Existem muitas outras que ainda não foram contadas. Venha contar a sua hoje, no Glênio Peres… Afinal, onde aperta o seu sapato?

Estamos no largo! venha para cá!

VeNHA pArA O lARGO!!!

Hoje, quarta-feira 23 de maio, haverá plEnáRia de mObilizaÇão paRa a cÚpula dOs pOvos no IAB – Instituto dos Arquitetos do Brasil (R. General Canabarro, esquina com a Riachuelo), às 18:30h. O objetivo do evento, que é parte da SemaNa da BIOdiveRSidade, é articular a participação dos movimentos sociais na Cúpula dos Povos, que acontecerá no Rio de Janeiro, em junho desse ano, evento de contestação à Rio+20. Também será debatida uma agenda de mobilização dos movimentos sociais para antes e durante a Cúpula, que deverá dar visibilidade as lutas locais de forma descentralizada. A idéia é que a pauta de questionamento a Rio+20 e às falsas soluções não ocorra somente no Rio, mas em todos os estados.

Os dias de ação global, definidos pelos movimentos, são dia 05 de junho, com o carater de denúncia da relação promíscua entre governos e corporações, como a Parceria Público e Privada, a privatização dos espaços públicos, as mega obras de infraestrutura, que fazem uso do discurso da economia verde, quem sendo denunciado como o capitalismo verde.

No dia 20 de junho, quando inicia a Rio+20 oficialmente com a chegada dos chefes de Estados, o objetivo é dar visibilidade às lutas locais, especialmente dos Comitês Populares da Copa das doze capitais. No Rio de Janeiro, o foco de mobilização será a Vila Autódromo, ao lado do Rio Centro, onde ocorrerá o evento oficial.

O objetivo da Plenária é pensar a mobilização dessa agenda para Porto Alegre.

Participe!

mostra de vídeos de ação direta: pensando a ação
Por que se faz uma ação direta? Quais são os diferentes tipos de ação direta? Porque escolher um e não outro? O que torna uma ação direta efetiva? São perguntas aparentemente simples, mas basta um grupo tentar respondê-las para se dar conta que, às vezes, as coisas mais difíceis de explicar são aquelas que todo mundo usa sem parar para pensar.
No dia 22 de maio, às 18h, no terraço do Diretório Acadêmico da Faculdade de Arquitetura da UFRGS (rua Sarmento Leite, 320), acontecerá o Cinema da Biodiversidade, parte da programação da Festa da Biodiversidade, com a atividade Pensando a ação, que exibirá vídeos de ações diretas de coletivos e movimentos de todo o mundo, acompanhados de uma reflexão coletiva sobre as perguntas acima e muitas outras: como fazer que uma ação não seja um ato isolado, mas faça parte de um processo ou campanha? Como equacionar diferentes níveis de experiência e confiança, garantindo ao mesmo tempo um máximo de efetividade e de participação? Que tipo de processo funciona com que tipo de ação? Como, usando da criatividade e da boa organização, atingir o máximo de efeito com um mínimo de recursos? Como usar as tecnologias de comunicação, a mídia corporativa e as redes sociais?

Entre os vídeos e campanhas discutidos, estarão exemplos tirados de movimentos de imigrantes, de trabalhadores precários, d@s indignad@s da Espanha, do Occupy, do Acampamento de Ação contra o Câmbio Climático e da campanha Art Not Oil da Inglaterra (contra o patrocínio de companhias de petróleo a instituições de arte), da luta do povo boliviano contra a multinacional Bechtel, do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra e do Levante Popular da Juventude.
Para instigar os ânimos, um pouquinho do que vamos assistir hoje!

Participe!

15/mAio – 19h – Ingá promove “Biodiversidade em Foco” com o tema da Biomineralização e Biodiversidade.

18, 19 e 20/mAiomUtiRão de BIOconstRUção na mOrada da pAz, de tRiUnfo.

21/mAio – às 19h – ofiCina de teatRo de aÇão diReta com levaNta FaveLa. Na Sala E4 da Casa de Cultura Mario Quintana.

22/mAio – 19h – Largo Vivo – Piquenique no Largo Glênio Peres, com malabares, roda de chimarrão, esportes e muita biodiversidade.

22/mAio – 18:00 – mOstra de ações diretas, no terraço do DAFA/UFRGS. Sarmento Leite, 320.

23/mAio – 18:30 – plenária de mobilização para a Cúpula dos Povos, no IAB (General Canabarro, esquina com Riachuelo).

24/maio – fESta da BIOdiveRSidade – laRgo glêniO peRes

        10:00 – danças circulares com Natália Barella.

        12:00 – Teatro de rua: Futebol nossa paixão… pra falar de política, futebol e religião com Levanta Favela.

        14:00 – Oficina de grafite

15:00 – oficina de chikung com Jairo Muller

        17:00 – Oficina de samba de roda com Mestre Renato.

        17:30 – Roda de conversa sobre a Cúpula dos Povos

18:00 – Telejornal biodiverso, com o coletivo Catarse

        18:30 – Intervenção “pula roleta” da oficina de teatro de ação direta Levanta Favela

        19:30 – Roda de Capoeira com o grupo Zimba e convidados


        DurRante tOdo o dia haveRá ráDio pOste, baNcas de expOSição do tRabalho dos gRUpos e mOVimentos sOciais. HavErá cOzinha de eXpeRimeNtações coM pacs e alimEntos da agRicultUra faMiliar.

25/mAio – 18h – maSSa cRítica. Saída do Largo Zumbi dos Palmares.

26/mAio – 10h ofiCinas de suStentabiliDade no Utopia e Luta. Viaduto da Borges.

26/mAio – 15h – maRcha da maConha. Concentração nos Arcos da Redenção.

26/mAio –22h – feSteRê da BIOdiveRSidade. No galpão do correio do Povo, no Parque Harmonia. Abertura com Roda de Samba de umbigada com o Mestre Renato. Show com as bandas Dionysios e Confeitaria Brasil. Apresentação com os DJ Augusto e Pé. Cine Quilombola.

A Série “Onde Aperta o Sapato?” é uma iniciativa dos coletivos que organizam a feSta da BIOdiveRSidade 2012. A série, que é produzida pelo Coletivo Catarse, tem o objetivo de apresentar os biodiversos coletivos e suas lutas políticas, suas propostas e mostrar como compreendem o processo de organização chamado FeSta da BIOdiveRSidade, organizado em Porto Alegre desde 2007.

Leandro Anton, do Ponto de Cultura Quilombo do Sopapo (no Bairro Cristal) e Comitê Popular da Copa Porto Alegre, nos fala da luta de resistência de comunidades populares contra o poder público e os interesses de especulação imobiliária, que se escondem por detrás da Copa do Mundo em Porto Alegre para realização de um processo de limpeza social. Assista o vídeo.

Fernando Campos Costa, dos Amigos da Terra Brasil e da equipe CaSatiRRa conta sobre as falsas soluções propostas pelo capitalismo, tentando imprimir uma forma única de ser. A Rio+20 que se aproxima, como uma dessas falsas soluções, que não irá debater as reais causas estruturais da crise ambiental. Assista!

Clara Freund, da Senda Viva, fala sobre o caminho de um grupo de arquitetos que busca construir de uma forma diferente. Fala da apropriação dos espaços públicos e da importância da biodiversidade. Veja!

Cláudia Rocha, da Comunidade Morada da Paz, de Triunfo/RS conta sobre a comunidade Morada da Paz e seu entendimento da biodiversidade enquanto rede, e da importância de cuidar! Assista

Vicente Medaglia, do Ingá, Instituto Gaúcho de Estudos Ambientais, nos fala da biodiversidade contrapondo-se a mono-cultura, enquanto caminho único proposto pelo capital. Manifestemos nossas diversas formas de mundo! Venha para a biodiversidade!

Mateus Raymundo, do Ingá, Instituto Gaúcho de Estudos Ambientais convida a prestigiar as trocas, vivências e a biodiversidade de formas de expressão no dia 24 de maio, no Largo Glênio Peres. Assista

Briza Brizola fala sobre a ação do Levanta Favela e a dificuldade de fazer teatro de rua em uma cidade onde os espaços públicos estão sendo privatizados. Rua é um espaço de autodeterminação! Viva o teatro da vida e da biodiversidade!

E onde aperta o SEU sapato????

venha para o Largo no dia 24 de maio, festejar a luta pela BIOdiveRSidade!